23/09/2020 - Novo reconhecimento internacional: HAC inclui primeiro paciente da América Latina em importante estudo

O Centro de Pesquisas Clínicas do Hospital Amaral Carvalho (HAC) comemorou um importante feito. A unidade conseguiu a inclusão do primeiro paciente da América Latina no estudo ChecKMate 9DW, sobre Carcinoma Hepatocelular, promovido pela indústria farmacêutica Syneos Health.
O estudo já está em desenvolvimento em outros países, mas foi aberto no Brasil em 31 de julho. De lá para cá, o Centro iniciou busca por pacientes que se enquadrassem nas especificações do estudo, que pretende analisar tratamento de primeira linha em pessoas com carcinoma hepatocelular em estágio avançado. A notícia sobre a aprovação do paciente, que aceitou participar do estudo, foi recebida nesta semana.
De acordo com a médica responsável pelo estudo no HAC, Patrícia Medeiros Milhomem Beato, serão 1.084 participantes de 239 centros de pesquisa de todo o mundo. O centro de pesquisa da Fundação Hospital Amaral Carvalho é um dos 13 centros alocados no Brasil. Segundo Patrícia, a notícia sobre a randomização do primeiro paciente é reflexo da competência da Instituição.
“A pesquisa clínica é um instrumento de construção do conhecimento primordial para melhoria dos processos de tratamento de nossos pacientes oncológicos. Ela agrega conhecimento, cuidado, dedicação, segurança e eficácia, requisitos presentes em nossa instituição que alicerça o Centro de Pesquisas e proporciona aos pacientes oportunidades aos melhores tratamentos”, completa.
O coordenador do Centro de Pesquisas Clínicas, Alvaro José Lança, avalia que a agilidade no processo de escolha e inclusão do paciente pode abrir oportunidades de novas pesquisas. “A indústria farmacêutica vê nosso centro de forma diferente, chamando a atenção para outros estudos importantes. Muitas dessas pesquisas envolvem tratamentos de primeira linha, com medicamentos já aprovados fora do País, então é uma chance de ofertar um tratamento avançado para pacientes do SUS.” O Centro ainda analisa outros pacientes que podem se enquadrar na pesquisa. 

Autor: Estela Capra